Montevidéu

URUGUAI E A CERIMÔNIA DO SOL

Maria das Grašas Targino

CEREMONIA DEL SOL


Carlos Páez Vilaró


¡Hola Sol! Otra vez sin anunciarte llegas a visitarnos. Otra vez en tu larga caminata desde el comienzo de la vida.
¡Hola Sol! Con tu panza cargada de oro hirviendo para repartirlo generoso por villas y caseríos, capillas campesinas, valles, bosques, ríos o pueblitos olvidados.
¡Hola Sol! Nadie ignora que perteneces a todos, pero que prefieres dar tu calor a los más necesitados, los que precisan de tu luz para iluminar sus casitas de chapa, los que reciben de ti la energía para afrontar el trabajo, los que piden a Dios que nunca les faltes, para enriquecer sus plantíos, y lograr sus cosechas. Es que vos, Sol, sois el pan dorado de la mesa de los pobres. Desde mis terrazas te veo llegar cada tarde como un aro de fuego rodando a través de los años, puntual, infaltable, animando mi filosofía desde el día que soñé con levantar Casapueblo y puse entre las rocas mi primer ladrillo.
Recuerdo que era un día inflamado de tormenta, el mar había sustituido el azul por un color grisáceo empavonado, en el horizonte un velero escorado afinaba el rumbo para saltear la tempestad, el cielo se llenaba de graznidos de cuervos en huida, la sierra se peinaba con la ventolera alborotando a la comadreja y al conejo.
Pero de golpe como un anuncio sobrenatural el cielo se perforó y apareciste vos. Eras un sol nítido y redondo, perfecto y delineado, puesto sobre el escenario de mi iniciación con la fuerza sagrada de un vitreaux de iglesia. Desde ese instante sentí que Dios habitaba en ti, que en tu fragua derretía la fe y que por medio de tus rayos la transmitía por todos los sitios donde transitabas. Los mismos brazos de oro que al desperezarte iluminan el cielo, al estirarse a los costados entibian las sierras, o apuntando hacia abajo laminan el mar.
¡Hola Sol! Cómo me gustaría haber compartido tu largo trayecto regalando luz, porque a tu paso acariciaste la vida de mil pueblos, compartiste sus alegrías y tristezas, conociste la guerra y la paz, impulsaste la oración y el trabajo, acompañaste la libertad e hiciste menos dura la oscuridad de los presidios.
A tu paso sol, se adormecen los lagartos, despiertan los girasoles y los gallos cacarean. Se relamen los gatos vagabundos, los perros guitarrean, y el topo se encandila al salir de la cueva. A tu paso sol, hay sudor en la frente del obrero y en los cuerpos de las mujeres cobrizas que alcanzan el cántaro de la favela. Con tus latidos conmueves el mar, das música a la siembra, la usina y el mercado.
A tu paso corrieron en estampida búfalos y antílopes, desperezó el león, se asombró la jirafa, se deslizó la serpiente y voló la mariposa. A tu paso cantó la calandria, despegó el aguilucho, despertó el murciélago y emigró el albatros.
¡Hola Sol! Gracias por volver a animar mi vida de artista. Porque hiciste menos sola mi soledad. Es que me he acostumbrado a tu compañía y si no te tengo, te busco por donde quiera que estés […]
Alguna vez la travesura de las nubes oculta tu esplendor, pero cuando ello ocurre, sabemos que estás ahí, jugando a las escondidas. Otras veces, en cambio, te vemos sonreír cuando las golondrinas o las gaviotas te usan de papel para escribir las frases de su vuelo.
Gracias Sol, por invadir la intimidad de mi atardecer y zambullirte en mis aguas.
Ahora serás la luz de los peces y su secreto universo submarino. También de los fantasmas que habitan en el vientre de los barcos hundidos en trágicos naufragios.
¡Gracias Sol! Por regalarnos esta ceremonia amarilla. Gracias por dejar mis paredes blancas impregnadas de tu fosforescencia.
Entre ventoleras y borrascas, cruzando ciclones y tempestades, lluvias o tornados, pudiste llegar hasta aquí para irte silenciosamente frente a nuestros ojos.
Porque tu misión es partir a iluminar otros sitios. Labradores, estibadores, pescadores te esperan en otras regiones donde la noche desaparecerá con tu llegada.

Y como respondiendo a un timbre mágico despertarás las ciudades, irás junto a los niños a la escuela, pondrás en vuelo la felicidad de los pájaros, llamarás a misa.
A tu llegada, se animará el andamio con sus obreros, cantarán los pregoneros en las ferias, la orilla del río se llenará de lavanderas y entrará la alegría por la banderola de los hospitales.
Chau Sol! Cuando en un instante te vayas del todo, morirá la tarde. La nostalgia se apoderará de mí y la oscuridad entrará en Casapueblo. La oscuridad, con su apetito insaciable penetrando por debajo de mis puertas, a través de las ventanas o por cuanta rendija encuentre para filtrarse en mi atelier, abriéndole cancha a las mariposas nocturnas.
Chau Sol! Te quiero mucho…
Cuando era niño quería alcanzarte con mi barrilete. Ahora que soy viejo, sólo me resigno a saludarte mientras la tarde bosteza por tu boca de mimbre.
Chau Sol! Gracias por provocarnos una lágrima, al pensar que iluminaste también la vida de nuestros abuelos, de nuestros padres y la de todos los seres queridos que ya no están junto a nosotros, pero que te siguen disfrutando desde otra altura.
¡Dios Sol! Mañana te espero otra vez. Casapueblo es tu casa, por eso todos la llaman la casa del sol. El sol de mi vida de artista. El sol de mi soledad. Es que me siento millonario en soles, que guardo en la alcancía del horizonte.

 

 

SOBRE O URUGUAI

Retornar à República Oriental del Uruguay após décadas e décadas, é uma emoção difícil de descrever. É buscar no recôndito d’alma lembranças e perceber que algumas delas estão lá, intactas, enquanto muitas outras se esvaíram nos recônditos da memória... Eis o segundo menor país da América do Sul, aquém tão somente do Suriname, com apenas 176.215 km², mas que se impõe como pequeno gigante por dados promissores que se estendem por seus 19 Departamentos (Estados).


Por exemplo, o Uruguai está no 19º posto, com pontuação de 8.17, que corresponde à categoria – democracia plena – no ranking compilado pela revista norte-americana Economist, que analisa, a cada ano, o status quo do regime político em 167 países. Isto significa que nosso vizinho vivencia, de fato, uma democracia constitucional, no momento, sob o comando do Presidente Tabaré Vázquez.


E há mais, muito mais. O Uruguai (vocábulo formado por três palavras guaranis: 1. uru = um tipo de pássaro que vive próximo ao rio Uruguai; 2. gua = que procede de; 3. y = água) é um dos países economicamente mais desenvolvidos da América do Sul. Além de um dos maiores PIB per capita (22,400 US$), o que lhe confere a 81a posição no ranking mundial contra a 104a referente ao Brasil, também está à frente quanto à qualidade de vida e/ou desenvolvimento humano em toda a América Latina. Ademais, aparece, sempre, como inovador em questões sociais, como a adoção, ainda em 1915, de jornada de trabalho de oito horas diárias; em 1907, é o pioneiro na legalização do divórcio em nível mundial; em 1932, é o segundo país das Américas a conceder às mulheres o direito ao voto, vindo atrás somente dos Estados Unidos da América; em 2007, é o primeiro da América Latina a legalizar uniões civis entre pessoas do mesmo sexo; em 2009, reconhece, legalmente, a sempre polêmica adoção homoparental; em 2010, decreta o fim da restrição à entrada de homossexuais em suas Forças Armadas e assim vai...


Algumas medidas legais, apesar de não consensuais, alcançam, também, o campo médico: em 2009, permite a eutanásia e em 2017, legaliza o aborto. Há ainda a questão da liberação da maconha, o tema da vez, que constitui um capítulo à parte pelas controvérsias que provoca! Há mais notícias que chamam atenção: segundo dados da organização “Repórteres sem Fronteiras”, o ranking mundial da liberdade de imprensa edição 2017 denuncia ataques contínuos contra a mídia na era da pós-verdade. No entanto, o Uruguai ocupa o 25o lugar na Classificação Mundial da Liberdade de Imprensa e consiste em modelo na região quando o tema é liberdade de informação. Somente para nos matar de inveja – nosso país está no 103o lugar!


E como descrever o litoral de beleza extrema? Além de banhado, ao sul e leste, pelo Oceano Atlântico, goza da magia do encontro entre as águas doces do Río de la Plata e as águas salgadas do oceano. Aliás, o Uruguai faz fronteira terrestre apenas com o Brasil, exatamente com o Rio Grande do Sul, ao norte e com a Argentina, a oeste. Uruguai e Argentina estão tão próximos que suas capitais são acessíveis por meio de travessia de barco ao longo do Río... Mas, como intimidade em demasia com vizinhos costuma azedar, “rola” certa ciumeira entre argentinos e uruguaios. Rivalizam coisinhas triviais, como a origem do tango, das deliciosas empanadas ou do tradicional doce de leite!


Sua população com cerca de 3,5 milhões de habitantes (densidade geográfica de 18,6 hab./km²) é, acentuadamente, um agrupamento urbano, haja vista que 1,8 milhão dentre eles estão na capital Montevideo e em seus arredores, o que parece um contrassenso por sua vocação agropecuária. Significativa maioria (90% dos uruguaios) possui ascendência europeia ou mestiça, o que se justifica face à colonização do país pela Espanha e Portugal, com independência datada em 27 de agosto de 1828.


O idioma oficial do Uruguai é o espanhol, mantendo suas particularidades quando em confronto com o idioma falado em outros locais, como Espanha ou Cuba. Em relação à moeda, com um real valendo perto de 8,50 pesos uruguaios (UYU) ou um dólar americano, 28 pesos, nós, brasileiros, sentimo-nos “bem na fita”, mas a tendência é nítida equiparação. O Uruguai está longe de ser um destino barato! A aceitação do real e do dólar é comum em quase todos os lugares, mas parece ser melhor comprar em cartão de crédito internacional, porque recebemos de volta os 18,03% de imposto (IVA) diretamente na fatura, e, portanto, mesmo com o IOF, é mais econômico. Isenções e devoluções de IVA, o equivalente ao ICMS brasileiro, decorrem da política de incentivo em vigor, desde 2013, para estimular o turismo. De qualquer forma, confessamos ser impossível definir a opção mais favorável. Deixamos, pois, para os mais “contábeis” acertar as contas... E ficamos com os mistérios de uma moeda que não se mostra fácil...

 

MONTEVIDÉU: CASCO HISTÓRICO E PARTE MODERNA


Fundada pelos espanhóis ainda no século XVIII, 1724, como fortaleza militar, a Montevidéu da atualidade possui encantos mil. Como capital / maior cidade da nação / sede administrativa do Mercosul, além da mais populosa, é a urbe latino-americana com melhor qualidade de vida e uma das 30 metrópoles mais seguras do mundo, paradoxalmente, sem trânsito caótico. Caminhar em suas avenidas e ruas limpas e charmosas ou às margens do Río...ao longo de sua orla constitui exercício pleno para o corpo e para a alma. Ao longo de seus 20 km de extensão, é difícil encontrar alguém na Rambla sem um pet – um gato ou um cachorro ou vários...


Pontos turísticos? Além das feiras livres, como a famosa Feria Tristán Narvaja, é começar pela Plaza de la Independencia que abriga uma série de edifícios históricos. Junto com a Puerta de la Ciudadela, ícone da cidade antiga, ambas constituem o ponto de ligação entre La Ciudad Vieja e a parte moderna. Enquanto no centro da Praça, está um monumento dedicado a José Artigas, político, militar e herói nacional do país, em suas imediações, estão o Palacio Salvo e o Teatro Solís (1856), além de prédio presidencial. Nas proximidades, o Congreso Nacional abriga duas casas, que correspondem à nossa Câmara dos Deputados e ao Senado. Também vale a pena conhecer o Mercado Agrícola, reaberto em 2013, onde encontramos de quase tudo! Também no centro de Montevidéu, o amor marca presença: na Fuente de los Candados, amantes apaixonados prendem cadeados com as iniciais dos nomes para eternizar a paixão. 


Na Ciudad Vieja, além do Museo Torres García, estão a Plaza de La Constitución, com a majestosa Catedral Metropolitana de Montevidéu e o centro administrativo ou Cabildo de Montevideo, ano 1804. Lá também está o maior centro gastronômico da capital, o Mercado del Puerto, coalhado de restaurantes de comida típica e em plena efervescência desde 1868.

COLÔNIA DO SACRAMENTO; RECANTO ENCANTADOR

Dizem que na pequena Colonia del Sacramento, à beira d'água, e cujo casco histórico é patrimônio da UNESCO desde 1995, o tempo não tem pressa porque o tempo, ele mesmo, se perde na contemplação de um dos mais festejados pores do sol do continente americano.  Consiste no mais antigo assentamento europeu (Colonia del Santíssimo Sacramento), graças à iniciativa dos portugueses. Instituída no dia 22 de janeiro de 1680, adiante, em 1777, torna-se colônia espanhola e, hoje, é capital do Departamento de Colônia. Fundada sob as ordens do brasileiro Manuel Lobo, então Governador da Capitania Real do Rio de Janeiro, a mando da Corte Portuguesa.


No centro histórico da cidade, o recanto mais encantador da cidade, além das ruínas da Casa del Virrey, lá estão o Museo del Azulejo, a Igreja Matriz com campanários incríveis e a Calle de los Suspiros, com infinitos segredos. Nesta última ruela, em dias de vento fonte, diz a lenda, ser possível escutar sussurros: era onde os marinheiros buscavam companhia para horas roubadas de amor, antes de sua volta ao mar... A Plaza Mayor e as ruelas abrigam artesanato, bares, cafés e artistas de rua. Ainda em Colônia, tão somente a 179,8 km da capital, destaque para a Plaza de Toros Real de San Carlos, onde aconteciam as touradas, proibidas desde 1912. Também são inesquecíveis algumas particularidades desse lugarejo: velhas bicicletas e/ou velhos carros dão lugar a belas floreiras ou a bares improvisados. Puro charme!

 
PUNTA DEL ESTE: MAR, CASSINOS E PURA DIVERSÃO


A 131,2 km da capital, em Maldonado, Punta del Este, fundada em 1829 por Don Francisco Aguilar com o nome de Villa Ituzaingó, atrai um monte de brasileiros – há momentos que é possível esquecer que estamos fora do Brasil! Seu nome justifica-se por sua posição geográfica: extremidade oriental do Uruguai. Aliás, a pontinha da península serve de divisão entre o Atlântico e o Río de la Plata.


 Balneário luxuoso, atrai figuras do high society do mundo inteiro, que mantêm uma “casinha de veraneio” para descanso no bairro Beverly Hills (versão uruguaia), e quiçá, um pouco de adrenalina, haja vista que Punta del Este abriga os mais luxuosos cassinos da América do Sul, que atraem e seduzem os locais e, sobretudo, argentinos, brasileiros e paraguaios. E mais um detalhe surpreendente. Em vez de números, nomes identificam as casas em Punta..., que lá estão em jardins, portões ou portas. São nomes charmosos, como “Malu”; “Let it be”; “Madrugada”; “Nirvana”, “Acá”, “Mi deseo”, etc., e que dão asas à imaginação para descobrir o porquê da escolha.


Se no inverno, Punta... assemelha-se a uma cidade-fantasma, na alta estação, sua população passa de 12.423 habitantes para atingir quase um milhão, o que soa exagerado e desproporcional! Mas vamos lá! Afinal, no verão, o sol brilha austero no céu azul até 22 horas! É o momento, ainda, de visitar o Farol (1860); o porto; a orla marítima, a exemplo de Playa Brava e Punta Ballena. Na primeira, está a famosa escultura La Mano ou Los Dedos, 1982, da autoria do chileno Mario Irrazábal, que insinua a força da mão como símbolo da presença do homem na natureza.


Na segunda, pendurada num penhasco sobre o mar, eis Casapueblo, edificação de beleza indizível construída ao longo de seis décadas pelo famoso artista plástico Carlos Páez Villaró, falecido em 2014, aos 91 anos. A cada dia, num gesto de amor ao sol, fonte de inspiração para seu sonho, ao pôr do sol, um poema de sua autoria era por ele recitado. Hoje, a inesquecível Cerimônia do Sol – para mim, o momento mágico de toda a viagem – prossegue. Gravação ecoa por potentes caixas de som com poema de beleza ímpar (vide epígrafe). Casapueblo constitui uma das fotos mais reproduzidas do país por sua grandiosidade e originalidade. Detalhe: dizem que serviu de fonte de inspiração para o nosso Vinicius de Moraes, quando da composição eternizada entre crianças e velhos, “A casa”: “Era uma casa muito engraçada; não tinha teto; não tinha nada; ninguém podia entrar nela, não, porque na casa não tinha chão [...]”

ENTRELAÇANDO OS FIOS


            É evidente que há mil fios em comum entre os uruguaios, onde quer que habitem. Por exemplo, o chimarrão, também chamado de mate, é comum por toda parte e em qualquer estação do ano, ou seja, ao longo dos 365 dias, porque, ao contrário do Brasil, onde a distinção marcante se dá entre verão e inverno, no Uruguai, as quatro estações estão bem definidas. Assim sendo, tal como ocorre com nossos gaúchos, lá vão eles com suas tralhas o tempo todo – além das cuias e térmicas com água quente, alguns carregam mateiras – bolsas de couro próprias para o transporte dos acessórios do chimarrão.


            De forma similar, não percebemos grande diferença entre as culinárias das três cidades visitadas. Trata-se de um país nitidamente agropecuário, ou seja, marcado pela exploração da agricultura e da pecuária. Uvas / vinhedos / vinícolas; arrozais; laranjais; oliveiras em abundância; cultivo de algas, etc. fazem a festa dos locais e dos turistas. Propriedades de diferentes extensões abrigam seu rebanho, que supera em número o total de habitantes – 11 milhões de cabeças de gado. Consequentemente, o churrasco reina onipotente, sob a denominação de parrillas / assados. Além de grelhas móveis para o preparo de carnes, cujos cortes são macios e deliciosos, os uruguaios recusam o uso de carvão e enaltecem a lenha nos verdadeiros rituais da parrillada!


Há, ainda, as citadas empanadas, recheadas a “gosto do freguês”, assadas e servidas, com frequência, como aperitivo; e o doce de leite, que não pode faltar como sobremesa no dia a dia. O que dizer dos alfajores? O nome provém do árabe al hasu (= recheado) e são docinhos existentes em outros rincões, inclusive no Brasil. O chivito – não se assemelha aos sanduíches do McDonald's, não senhor!  – é um sanduíche de carne mais um monte de outros ingredientes, como queijo, presunto, bacon e ovos, cobertos com maionese e acompanhado, em geral com batatas fritas e saladas. Trata-se de um prato genuinamente uruguaio e apropriado para quem não quer ganhar peso! Ria, se puder! Quanto ao pancho, réplica aperfeiçoada de nosso pobre cachorro-quente, é preparado com o pan de Viena e a salsicha (ou frankfurter), que varia tanto no sabor quanto no tamanho. A ideia do pancho é harmonizar os dois ingredientes: nem muito pão, nem muita salsicha. E há as imperdíveis batatas-doces com mel e açúcar!  Em meio a esta comilança toda, uma lei soa cômica: o Governo proíbe o sal nas mesas de restaurantes e bares, mas alguns estabelecimentos deixam o produto pendurado para eventual uso dos consumidores!


Tal como no Brasil, o futebol é o esporte mais popular entre os uruguaios. Até hoje, eles falam com orgulho do fato de terem sediado a primeira edição da Copa do MundodeFutebol, no longínquo 1930, envolvendo 13 seleções, direito conquistado por terem sido campeões olímpicos do esporte, em 1924. Na ocasião, consagram-se primeiro campeão do mundo de futebol em vitória sobre a vizinha Argentina. Para ilustrar melhor o encantamento em torno do esporte, a seleção nacional é conhecida pelo cognome La Celeste e o Estádio Centenário, construído no ano da Copa, existe até hoje como um dos principais pontos turísticos de Montevidéu, declarado pela FIFA como Monumento Histórico do Futebol.

 
POR FIM...


Difícil sintetizar a vida de um país tão pequenino e tão gigantesco ao mesmo tempo. Em sua parca área de extensão, é possível compartilhar a beleza de praias infindas, o encontro entre um rio e o mar, a singularidade que cerca sua gente – louca por futebol, carnaval, música e comida.


Além de tudo, a República Oriental do Uruguai é o país mais alfabetizado da América Latina, com 99%, segundo a CIA World Factbook (dados de 2018) e lidera o ranking dos países menos violentos da região, aquém somente do Chile, dados do Global Peace Index 2017, como antes insinuado! A paz de suas ruas evoca a triste violência de nosso país, com ênfase, no momento, para nossa “cidade maravilhosa.” Seus índices positivos nos fazem calar... e compreender o orgulho indisfarçado dessa gente hospitaleira... 

CURIOSIDADES:

 

Políticos citados como curiosidades por sua conduta exemplar – o Uruguai tem em José Alberto Mujica Cordano, agricultor, atual senador e ex-presidente entre 2010 e 2015, um espécime raro de retidão e sobriedade. Pepe Mujica anda de fusca, reside num sítio simples e dispensa qualquer gasto com dinheiro público.

 

Vizinhança resistente à influência do vizinho Governo brasileiro – o Uruguai é o país menos corrupto da América Latina e, em termos mundiais, está na 21a posição, segundo a agência Transparency International: The Global Anti-Corruption Coalition.

Do divórcio ao aborto – o Uruguai está na vanguarda na região quanto às leis que privilegiam direitos sociais e a prática cidadã. 

 

Maconha liberada – o Uruguai é o primeiro país do mundo a legalizar, desde 2014, o cultivo, a venda e o consumo da maconha. O Governo exerce o controle e o comércio em farmácias, que mantêm, sempre, longas filas de clientes. Há, também, a opção de o cidadão cultivar até seis mudas da planta em casa, embora não possa distribuir, e/ou integrar clubes especializados com o máximo de 45 sócios.

 

Cassinos liberados – o Uruguai mantém seus cassinos abertos, o que rende significativa receita em impostos ao Governo.

 

Ritmos variados – o Uruguai orgulha-se de seu tango que rivaliza com a milonga (mais acelerada); o candombe, ritmo de origem africana e executado ao som de três diferentes tipos de tambor; e a murga, executada com instrumentos de percussão.  

Carnaval – o Uruguai tem o carnaval mais longo do mundo: cerca de 40 dias de folia mas em versão bem diferente da nossa!

 

(voltar ao topo)