Sevilha no coração. Por Maria das Graças Targino.

Museu Guggenheim: a arte da vida. Por Maria das Graças Targino.

Europa Século 21 (IV): Retorno à sempre bela Praga. Por Léa Maria Aarão Reis.

Europa Século 21 (III): Sombras do passado em Berlim. Por Léa Maria Aarão Reis.

Europa Século 21(II): Berlim, cidade palimpsesto. Por Léa Maria Aarão Reis.

Europa Século 21 (I). Paris, o império dos velhos. Por Léa Maria Aerão Reis.

Mostar, uma tragédiar: escombros e turismo. Por Maria das Graças Targino.

Buenos Aires - Decadência e Globalização. Por Léa Maria Aarão Reis.

Sorvete de Lúcuma em Lima. Por Léa Maria Aerão Reis.

Russia: muita beleza, varias surpresas. Por Maria das Graças Targino.

Você não come o que gosta; gosta do que come.

Maiorca, de história, beleza e prazer.

Reencontrando o encantamento. Por Humberto Mendes.

Omundo encantado do viajante. Por Maria das Graças Targino.

Paris: do visível ao invisível. Por Maria das Graças Targino.

As quatro estações e uma tragédia.

Passagem para o Vietnã (II). Por Léa Maria Aarão Reis .

Passagem para o Vietnã (I). Por Léa Maria Aarão Reis.

Affonso Romano de Sant'Anna e o Egito: Um Obelisco Inacabado.

Simplesmente Marraquech. Por Maria das Graças Targino.

Arte em construção. Por Maria das Graças Targino.

Espanha: amor à primeira vista? Por Maria das Graças Targino.

Nepal: exotismo e tragédia.

Índia: mundo à parte para deleite ou horror.

Bar é coisa séria. Por Paulo Maldonado.

Alturas de Machu Picchu. Por Clemente Rosas.

Pequeno guia pessoal dos botequins cariocas. Por Celso Japiassu.

A arte de viajar: o ver e o olhar do viajante. Por Débora Menezes.

O Ano Cortázar em Buenos Aires, por Léa Maria Aarão Reis.

Buenos Aires Revisitada, por Nei Leandro de Castro.

Informe de Buenos Aires, de Celso Japiassu.

Chile, 30 anos depois. Por Léa Maria A. Reis.

A indizivel arte de saborear charuto, por Paulo Maldonado.

Moacir Japiassu dá a receita de um prato com rolas acidentadas.

Cuba: os paradoxos da Revolução. Maria das Graças Targino.

Charmes de Tiradentes. Léa Maria Aarão Reis

O último dia do ano em Fiesole. Celso Japiassu.

O Diário do Vietnam, de Daniel Japiassu.

A viagem continua: os diários do Laos e do Cambodja. Daniel Japiassu.

Saigon, cidade aberta. Por Daniel Japiassu.

As Primeiras Pizzas do Rio. Léa Maria Aarão Reis.

O festival do comidas nas ruas de Paris e outras cidades da França.

Novas e criativas receitas de Bacalhau, por grandes chefs brasileiros.

Uma homenagem à caiprinha: Sidney Simões conta a história do drinque brasileiro.

O pícaro A. Falcão apresenta suas receitas de conquistar mulheres.

Um roteiro da cidade de Campina Grande, por José Nêumanne.

Pratos excêntricos e exóticos, por Caio Mourão.

Um roteiro da cidade de Natal, por Nei Leandro de Castro.

Para ver antes do almoço:
a cozinha tradicional paraibana.
(um segundinho até carregar).

Atlanta, da Guerra Civil
à Coca Cola,
por Lea Maria Aarão Reis.

Léa Maria volta de
Buenos Aires
e conta o que viu lá.

Cahors, no coração da França.
Por Celso Japiassu.

Um olhar sobre a Galícia.

Caio Mourão ensina a fazer um
exótico Risoto de Morangos.

Nei Leandro de Castro confessa
seu amor por Florença e traça o roteiro sentimental de Lisboa.

Dê uma olhada em alguns pratos de restaurantes europeus.


Vale a pena ver como se faz
um leitão.

50 Sonetos de Forno e Fogão:
apresentação,
introdução
,
receitas em a-b-c,
d-e-f
,
j-l-m,
p-r-s-t-v-x
.

Mestre Eça de Queiroz mostra
como se comia na Grécia
e na Roma antigas.


 

MALLORCA, DE HISTÓRIA, BELEZA E PRAZER

 

Maria das Graças Targino *

 

Fim de 2007. Outono europeu. Árvores desnudas, ou que se desnudam, contrastam com pessoas mais e mais vestidas. Os casacos pesados de frio deixam os armários e começam a encher as ruas outonais de Mallorca, por onde, repetindo o fenômeno dos demais espaços europeus, caminham muitos imigrantes ao lado de maiorquinos, jovens ou velhos, bonitos ou feios, mas, quase sempre, simpáticos e receptivos.

 

Maiorca (para honrar nosso português) é uma das Ilhas Baleares, primeira comunidade autônoma da Espanha. Somam cerca de 5.000 km 2 e abrigam em torno de 985 mil habitantes. Na imensidão do Mar Mediterrâneo, ao longo de 1.238 km de costa, esse arquipélago agrupa cinco ilhas centrais em dois blocos. O primeiro, intitulado ilhas Gimnésias, incorpora Maiorca, Menorca e Cabrera. O segundo, as ilhas Pitiusas, reúne Ibiza e Formentera. Dentre elas, Maiorca e Ibiza são, na atualidade, o destino de muitos turistas. Apesar da disputa feroz com as Ilhas Canárias (a famosa Tenerife) em torno do turismo, as Baleares têm conseguido preservar sua herança histórica e suas riquezas naturais. Surpreendentemente, segundo dados oficiais, 40% de sua superfície está protegida.

 

Ao tempo em que historiadores asseguram que essas ilhas estão povoadas desde tempos remotos, possivelmente, a partir do século V d.C., no caso específico de Maiorca, temos uma sobrevivente de sucessivos ataques ou colonizações, e até da história de um reino fugidio (Reino de Maiorca), que vai somente de 1262 a 1349, criado por Jaime I, O Conquistador, e extinto, em definitivo, em 1715. Por aí, passaram gregos, fenícios, cartagineses, romanos, turcos e muçulmanos, dos quais restam nas ruas cálidas da cidade algumas heranças. Dentre elas, os visitados Banhos Árabes, século X, que decepcionam o visitante pelo quase vazio de seu interior e pela falta de restauração.

 

Durante o período histórico da Reconquista, as Baleares, e, por conseguinte, Maiorca, foram integradas a Catalunha. Então, à briga territorial soma-se a disputa que se repete entre os povos: hoje, os mais velhos lutam para preservar “sua” língua, no caso, o baleárico ou “maiorquí” , enquanto os jovens fazem a festa com o castelhano, num clima de modernidade e irreverência total, o que faz uma dama nativa afirmar: “os jovens só estão para as discotecas e para os porres”. Vai além, e complementa, com desdém: “os catalães não cansam de chamar minha Maiorca de ´nossa ilha´, pelo simples fato de nossa língua derivar do catalão. Vejam só!” De qualquer forma, oficialmente, Baleares e Maiorca são bilíngües (catalão e castelhano). Ademais, fora o inglês, o alemão também está presente em quaisquer pontos turísticos. A razão é a invasão de sua gente. Mas, dessa vez, não como imigrantes ilegais ou sem trabalho. Trata-se de fenômeno semelhante ao que vem ocorrendo nas praias do Nordeste e Sul brasileiro, quando estrangeiros, vizinhos, ou não tão vizinhos, correm em busca de sol e de calor, em diferentes estações do ano, e, algumas vezes, fixam-se em definitivo.

 

A capital administrativa das Ilhas Baleares e da ilha de Maiorca é a cidade de Palma de Maiorca ou, mais precisamente, Palma. A supremacia de Maiorca dentre as Baleares resulta não apenas de sua maior extensão (ocupa 3.640 km 2 ) ou de sua população expressiva (cerca de 770 mil habitantes, concentrados na capital, com, aproximadamente, 375 mil), mas de seu esplendor e encanto, incluindo o clima ameno. Há de tudo. Há para qualquer gosto. Há para qualquer idade. Se suas ruas antigas ou se suas águas cristalinas convidam ao descanso, o que deu a Maiorca de outrora o título de “ilha da calma” , hoje, ela mantém infra-estrutura invejável: hotéis de luxo se mesclam com pousadas; bares e discotecas garantem vida noturna infernal; restaurantes de luxo coexistem com os fast foods da vida e com lanchonetes populares, mas, quase sempre, é possível se deliciar com peixes e mariscos, aves e carne de porco. E mais: cruzeiros marítimos convivem em harmonia com encantadores trenzinhos; carruagens enchem os olhos de turistas; os preguiçosos se estiram nas gramas dos parques, enquanto os esportistas se deliciam em longas caminhadas ou pedalam bicicletas, que comportam modelos para o solitário, o casal ou a família.

 

Maiorca se caracteriza por uma geografia de contrastes: serras, como a de Tramuntana, e as Serras de Levante; praias de extrema beleza, como as que se reúnem sob a denominação de Praias de Maiorca (Can Pastilla, Meravelles e Arenal); e, por fim, região de planície, onde agricultores cultivam azeitona, figo, damasco, amêndoa, oliva e tomate, ou se perdem em seus bosques de imponentes pinheiros. Mesmo assim, nos dias atuais, a maior fonte de renda é o turismo, com quase 70% da população voltada para o setor de serviços. Algumas indústrias sobrevivem. Além das célebres pérolas artificiais de Maiorca, que povoaram o universo de minha mãe e minhas avós, e que continuam atuais para os aficionados por jóias, a indústria têxtil, o couro e o calçado marcam presença, além de artesanato múltiplo e variado.

 

O “casco” histórico de Maiorca reúne prédios e monumentos cuidadosamente preservados e com reflexos da arte catalã e valenciana. Catedrais góticas, palácios barrocos, museus antigos e modernos se espalham em ruas modernas ou em prosaicos bairros antigos, onde escasseiam “estátuas vivas” , mas outros artistas de rua resistem e mostram suas pinturas.

 

Castelo de Bellver

 

Além das Igrejas de Santa Eulália e de São Francisco, a Catedral de Palma, La Seu , século XIII, constitui mostra ainda mais preciosa da arte gótica, com pedras douradas e interior habilmente remodelado por representante máximo da arte espanhola, Antoni Gaudí, autor de A Sagrada Família, símbolo maior de Barcelona, Catalunha. O Castelo de Bellver, ocre e triste, durante o dia, com iluminação cuidadosamente planejada, à noite, domina a baía de Palma, nos fazendo recordar suas tantas vidas: de início, século XIV, residência luminosa dos reis de Maiorca; posteriormente, clausura escura para sofridos prisioneiros; de 1915 para cá, lugar de visitação pública para turistas entusiasmados ante a beleza do gótico.

A Almudaina, antiga fortaleza árabe, e, hoje, sob protestos de alguns nativos, residência oficial dos reis da Espanha, é de beleza indescritível. Há, ainda, o Museu de Maiorca, o Museu de Gaudí, o Museu Diocesano, com identidade religiosa, além da Fundação Pilar e Joan Miró, a qual, a bem da verdade, está um tanto malcuidada, apesar do acervo precioso. E há muito mais, como o Museu de Arte Moderna e Contemporânea de Palma de Maiorca, inaugurado somente em 2004, e cuja coleção inclui obras valiosas de Picasso e Miró.

 

A animação das praias e do centro de Palma, com largas avenidas e praças, como Passeio de Born, Avenidas Joan Miró e Jaume III, e a Praça Gomila, contrasta com a tranqüilidade das cercanias, que não ficam atrás em termos de atração. No cume da cordilheira da Serra de Tramuntana, o povoado de Lluc abriga belíssimo monastério, séculos XVII e XVIII, construído junto a uma capela, onde está La Moreneta ou a Virgem Negra de Lluc, imagem que data do século XIII ou XIV.

 

 

Mais adiante, em Porto Cristo , é possível visitar as inesquecíveis Cuevas (Cavernas) de Drach. Realmente, é um espetáculo surpreendente: não são tão-somente grutas que se unem entre as límpidas águas do Lago Martel, considerado o maior lago subterrâneo da Europa. Há um clima de magia indescritível: à surdina e na semi-escuridão, um concerto de música clássica por artistas que surgem em meio ao Lago, em barcas poeticamente iluminadas. A saída das Cuevas, a oportunidade de retornar ao mundo lá fora num barquinho e uma vontade imensa de reter na mente esses momentos de pura beleza. Mais adiante, a oportunidade de um cruzeiro marítimo, partindo de Porto Cristo e indo ao longo da Cala Petita até a Cala Bona.

 

Há, ainda, a chance de ir de Palma a Sóller, vilarejo, com vida e porto tranqüilos. Desta vez, em trem, aqueles trenzinhos elétricos de contos de fada, que, desde 1912, percorrem os 30 km entre uma cidade a outra. De Sóller, é possível prosseguir de ônibus, por estrada tortuosa e perigosa, até o povoado Valldemossa, que se imortalizou na memória popular, por seu complexo monumental de La Cartuja ter sido testemunha, ainda nos anos de 1838 a 1839, do amor proibido entre a escritora George Sand e seu célebre amante e compositor Frédéric Chopin. São as travessuras de apaixonados rendendo frutos, ultrapassando séculos e assegurando que, independente das variações na escrita – Mallorca ou Maiorca –, o encanto não se desfaz ...

 

* Maria das Graças TARGINO é jornalista e pós-doutora em jornalismo pela Universidad de Salamanca / Instituto Interuniversitario de Iberoamérica .

 

(voltar ao topo)