Os mistérios da comunicação. Por Claudio José Lopes Rodrigues.

Odylo, uma poesia. Por Celso Japiassu.

Discurso de Vargas Llosa no Prêmio Nobel. de Literatura.

Novos poemas de Carlos Alberto Jales.

Poemas de Sylvia Beirute.

A tarde, no futuro. De Celso Japiassu.

5 poemas de Carlos Alberto Jales.

A silhueta. De Celso Japiassu.

Réquiem sem música. De Edna St. Vincent Millay.

Retorno. De Celso Japiassu.

Um traço desenhado pelo vento. De Celso Japiassu.

O morto. Por Carlos Alberto Jales.

Sonha, de Celso Japiassu.

A crônica nossa de cada dia. Por Maria das Graças Targino.

Vidas, de Celso Japiassu.

Copacabana: poemas reunidos. De Celso Japiassu.

A menina que roubava livos. Por Maria das Graças Targino.

Dezessete Poemas Noturnos. Celso Japiassu

20 contos curtos de Paulo Maldonado.

O Itinerário dos Emigrantes, de CelsoJapiassu.

4 Poemas de Carlos Alberto Jales.

O Último Número, de Celso Japiassu.

Um poema de Rodrigo Souza Leão: Clarice Chopin.

Infância. De Paulo Mendes Campos.

Talento não é direito divino. Por Aline Santos.

Quatro novos poemas de Carlos Alberto Jales.

A morte de um pensador. Por Carlos Alberto Jales.

Moacir Japiassu: entrevista sobre o novo livro.

Quem será o tal Nonô? Crônica do novo livro de Moacir Japiassu.

As Pelejas de Ojuara, entrevista com Nei Leandro de Castro.

Os Horrores do Mundo. Por Clemente Rosas Ribeiro.

Alguns poemas de Carlos Alberto Jales.

Moacir Japiassu fala sobre seu novo livro: Quando Alegre Partiste.

O Evangelho segundo Jesus Cristo. Por Maria das Graças Targino.

Beócio, mentecapto e troglodita. Por Cláudio José Lopes Rodrigues.

Memórias do nosso tempo: De poetas, estrelas e flores. Por Clemente Rosas.

Dois contos do carnaval. Ângela Belmiro.

Obrigado, Quintanilha. Conto de Paulo Maldonado.

Um poema de Antonio Cisneros.

Cristo diante de Pilatos. Por Eça de Queiroz.

Poemas traduzidos: poetas de todos os tempos e lugares.

O Silêncio do Delator, de José Nêumanne.

As Dunas Vermelhas, de Nei Leandro de Castro. Resenha de Moacy Cirne.

Três poetas, o amor e o tempo.

Equívocos literários: poemas falsos de Brecht, Borges e Garcia Marquez.

Seis novos poemas de Nei Leandro de Castro.

Especial para Uma Coisa e Outra:Borges e seus mistérios, ensaio de José Nêumanne Pinto.

Como uivar para a lua sem a menor possibilidade de estrelas. Antonio Torres.

Alguns poemas de Fabricio Carpinejar.

Cinco céus. Franklin Alves.

Franklin Alves. Novos poemas.

As supresas do novo romance de Moacir Japiassu, por Nei Duclós.

Ode ao Fígado, de Pablo Neruda.

Entrevista: Moacir Japiassu fala sobre seu novo livro.

A biblioteca da literatura mundial.

O Parque, de Carlos Tavares.

Corpo. Conto de Rui Alão.

Notas de um antropólogo cansado, por Rui Alão.

Voltas em volta dos contratos de amor, de Pedro Galvão.

Corpo invisível, poema de Carlos Tavares.

Quando a cidade faz esquina com a escrita. Antonio Torres.

Dois contos de Paulo Maldonado.

Prelúdio a Conessa. Conto inédito de Carlos Tavares

Outros poemas de Marilda Soares.

O Farol e a Ilha, conto inédito de Carlos Tavares.

Poemas inéditos de Marilda Soares.

Adagio Negro, um conto de Carlos Tavares.

Marcos de Castro e A Santa do Cabaré.

Almandrade: um poema visual e quatro poemas escritos.

Literatura polonesa: um classico de Boleslaw Prus, numa tradução de Ruy Bello.

Em tradução de Sebastião Uchoa Leite, um velho (novo) poema de François Villon.

O que fazer diante de tantos livros que teríamos de ler. Gabriel Zaid.

Poemas de Moacy Cirne, poeta e cangaceiro.

Dois contos do poeta R. Leontino Filho.

Leontino Filho: Cinco Poemas.

Erotismo e paixão: Cinco Sentidos, conto de Helena Barreto.

A Retratista, conto de Bill Falcão.

Poemas de Silvana Guimarães.

A orelha de A Santa do Cabaré, por Fábio Lucas.

Fotopoemas de Niterói. Luís Sérgio dos Santos.

O Olhar de Borges, Livro dos Amores. Poemas de Jaime Vaz Brasil.

Poemas de Eric Ponty.

Poemas de Ana Merij.

A Absolvição das Formigas. Eduardo Ramos, à moda de José Saramago .

Quanta confusão fazem em teu nome, poesia. Paulo Maldonado.

Na espera do amanhã, por Affonso Romano de Sant'Anna

O pior livro de todos os tempos, por Sergio Jedi

Três poetas de língua espanhola. Traduções e notas de Anibal Beça.

Anibal Beça, poeta amazônico: apresentação e a Suíte para os Habitantes da Noite.

Autobiografia da minha morte, por Jorge Vismara.

Os homens amam a guerra. Belíssimo poema de Affonso Romano
de Sant'Anna com traduções de
Fred Ellison e Nahuel Santana.

.

11111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111

22222222222222222222222222222222222222222222222222222222222222222

33333333333333333333333333333333333333333333333333333333333333333

44444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444

55555555555555555555555555555555555555555555555555555555555555555

66666666666666666666666666666666666666666666666666666666666666666

77777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777

88888888888888888888888888888888888888888888888888888888888888888

99999999999999999999999999999999999999999999999999999999999999999

00000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000

11111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111

22222222222222222222222222222222222222222222222222222222222222222

Jorge Vismara

44444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444

55555555555555555555555555555555555555555555555555555555555555555

66666666666666666666666666666666666666666666666666666666666666666

============================

Autobiografia da minha morte

============================


00000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000

11111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111

22222222222222222222222222222222222222222222222222222222222222222

33333333333333333333333333333333333333333333333333333333333333333

44444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444

55555555555555555555555555555555555555555555555555555555555555555

66666666666666666666666666666666666666666666666666666666666666666

77777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777

88888888888888888888888888888888888888888888888888888888888888888

99999999999999999999999999999999999999999999999999999999999999999

00000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000

11111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111

22222222222222222222222222222222222222222222222222222222222222222

33333333333333333333333333333333333333333333333333333333333333333

44444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444

55555555555555555555555555555555555555555555555555555555555555555

66666666666666666666666666666666666666666666666666666666666666666

77777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777

88888888888888888888888888888888888888888888888888888888888888888

99999999999999999999999999999999999999999999999999999999999999999

00000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000

11111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111

22222222222222222222222222222222222222222222222222222222222222222

33333333333333333333333333333333333333333333333333333333333333333

44444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444

55555555555555555555555555555555555555555555555555555555555555555

66666666666666666666666666666666666666666666666666666666666666666

77777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777

88888888888888888888888888888888888888888888888888888888888888888

99999999999999999999999999999999999999999999999999999999999999999

1 9 8 5

11111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111

22222222222222222222222222222222222222222222222222222222222222222

33333333333333333333333333333333333333333333333333333333333333333

44444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444

55555555555555555555555555555555555555555555555555555555555555555

66666666666666666666666666666666666666666666666666666666666666666

77777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777777

88888888888888888888888888888888888888888888888888888888888888888

99999999999999999999999999999999999999999999999999999999999999999

00000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000

© 1985 Jorge Vismara

Eu bati três vezes. Me lembro bem do numero três. Não me lembro bem se foi a campainha, ou se bati na porta diretamente, ou se puxei um cordão do tipo que fica pendurado do lado de fora da porta, como antigamente.

Eu sentia uma sensação estranha, até esquisita. Uma sensação nova, diferente, de leveza e de uma certa temperatura. Um calor que me envolvia por fora e por dentro. Não era muito quente e sim muito aconchegante. Era minha nova dimensão, meu novo "corpo", ou o corpo da minha alma, quer dizer: meu novo estado real. Eu tinha morrido há algumas horas lá na Terra.

Concentrado-distraido como eu estava neste meu sentir, não tive tempo ou não me apercebi da porta se abrindo ... No ar um silêncio de igreja, com aquele ecoar zumbindo e quebrando o silêncio absoluto. Um ecoar de vozes murmurando mistérios, murmurando segredos.

Ele abriu a porta, e logo me reconheceu.

- O que tu fazes por aqui meu filho?

- Oi ! (respondi surpreso)

Mesmo sabendo que ia me encontrar com ele logo logo, não deixou de me surpreender este nosso primeiro contato.

O mais divertido é que eu fiquei surpreso ante a surpresa dele de me ver aparecer por ali.

Eu pensava que este pessoal tinha um contrôle das coisas, uma visão, um domínio dos acontecimentos muito maior do que depois eu vim saber que era na verdade.

Tudo era novo para mim. Sua voz, seu visual, o ar que vinha de dentro do Paraíso, perfumado e frio.

- Como veio a acontecer que teu anjo-guia errou o caminho? Onde é que ele esta?

- Bem, São Pedro ... O anjo-guia, me indicou qual era o meu caminho, mas ele teve que voltar ... sei lá, deu um problema na fantasia dele ... na roupa, e eu aproveitei para passar por aqui. O Senhor vai compreender que eu não podia deixar de dar uma olhadinha, pelo menos. Eu sempre gostei de conhecer lugares novos ... o Senhor sabe disso, né?

Me soava estranho trata-lo de 'o Senhor', eu que muito raramente tratei alguém assim. Mas a atmosfera toda era de uma certa cerimônia, de um certo formalismo ... enfim. Afinal de contas eu tinha fugido a regra (como para continuar com meus costumes terrestres nesta vida etérea), e São Pedro tinha todo o poder para me dar uma puta bronca, mesmo com toda a mansidão e todo o carinho de suas palavras.

*** *** ***

A triagem que se faz depois que a pessoa morre, foi feita com uma lentidão típica de quem tem todo o tempo do mundo nas mãos. Na fila tinha almas de outras galáxias. Eu já tinha visto algumas se aproximarem. Eram almas de cores diferentes, e eu supus que seriam de seres de outras regiões do espaço, como vim a confirmar depois.

Num determinado ponto íamos nos congregando as almas, e a gente passava por uns espaços estreitos como se fossem guiches ou roletas de ônibus. Era ali que se fazia a identificação. Se os dados estavam certos, e confirmavam a identidade da alma que estava chegando, ia logo indicada através de um anjo-guia, para o Paraíso ou para o Inferno.

Curioso, ali nada se falava do Purgatório. Eu acho que era um departamento lá no Paraíso, mas disso não posso ter certeza.

Não sei o que aconteceu comigo, mas eles falharam, porque o anjo-guia não podia ter me deixado sozinho no meio do caminho. Assim, eu não tive ninguém para me controlar, ou para continuar me indicando o meu destino (leia-se Inferno).

*** *** ***

O Inferno ficava num canto mais afastado de um Universo, que nós enquanto vivos não conhecemos.

Este Grande Universo esta composto não só daquele que é o real para a gente enquanto estamos vivos, como de mais dois Universos, ou super Universos. Um, o das almas, e o outro dos ... como chama-lo ... da administração de Deus.

Como estava dizendo, o Inferno ficava num canto bastante isolado, um lugar típico de segunda classe.

Eu já tinha visto uma alma coberta de brilhos (como se fosse purpurina), rodeada de uma áurea com pontos também muito brilhantes, de um ton verde que as almas da terra não tinham. Essa alma pegou um caminho diferente, e pelo que eu entendi era o caminho do Paraíso. Quando o anjo-guia me deixou ali no meio, eu dei um pulo até a trilha dela.

As almas quando trafegam assim no espaço, vão deixando uma esteira luminosa, que fica acesa por um tempo. Dali que era muito fácil seguir o rumo delas.

*** *** ***

Mas eu estava contando meu encontro com São Pedro...

Meu querido leitor, para quem ainda vive, ou para quem ainda não morreu, tudo isto pode aparecer fantasioso, cômico, pura invenção ... mas não é não ! Estou tentando fazer o relato o mais objetivo possível, o mais desfantasioso, e pouco exagerado. Mas sei que é difícil de acreditar.

São Pedro, não queria saber nada de me deixar dar uma olhada lá dentro. Nesse sentido ele era igualzinho aos burocratas da Terra. Lógico que com uns lances diferentes, na substancia, e um comportamento 'celestial' ... mas em nada diferente de um empregado publico ligeiramente refinado.

São Pedro acabou transando minha visita ao Paraíso, mais provavelmente pelo 'approach pessoal', que seguramente ele não estava acostumado nem preparado para receber. Ele aceitou a visita também na base da novidade.

Seus regulamentos o impediam de sequer pensar nesta chance, nesta alternativa. Curiosamente não estava nem prevista a possibilidade que aparecesse alguém enganado, e menos ainda alguém que quisesse 'dar uma olhada' no Paraíso.

Concretamente ele não estava transgredindo nenhum regulamento, só que se supunha que isto não podia acontecer.

Devo dizer que isto é um caso comun, das organizações montadas na base da pirâmide, na qual você tem que prever todas as possibilidades e todos os erros. Qualquer alternativa diferente que não esteja nas previsões do sistema, vai dar num "General Error Trap" (ou seja um erro não identificado). E por conseguinte não será catalogada dentro dos erros possíveis, e não será tratada nem solucionada dentro dos parâmetros, e/ou de acordo com as características do sistema. Terá que ser resolvida, como bem entenda o Operador local do sistema, neste caso: São Pedro.

São Pedro abriu a porta como ainda duvidando se devia o não permitir que a minha curiosidade fosse saciada.

Se não foi esse o motivo da lentidão em abrir a porta, deve ter sido só um pouco de suspenso que ele quis dar ao momento.

*** *** ***

Tive que passar por uns jardins pequenos 'a la française', para depois chegar num vale de uma luz tênue, muito suave, ladeado por nuvens impressionantemente brancas (que nem propaganda de televisão). A cor predominante no ar era a cor de rosa.

Meu Deus, quanta gente ... digo quantas almas, que tinha ali ! ! O mais incrível foi a presença de almas tão diferentes das que eu tinha visto no caminho. Acho que teria almas de muitos trilhões de anos atras. Muitas eram compriiiiiiiidas, e fininhas como minhocas ou como linhas de costura. É isso ai, alguns cantos se pareciam mais com o costureiro da minha avó, do que com o Paraíso!

A quantidade de almas de crianças era também enorme.

As almas de adultos mesmo sendo tão diferentes as imaginadas, dava para 'sacar' a massa com que estavam feitas: muitos padres, monjas, muita gente de origem pobre e despreparada até para fazer um pequeno mal, e todo o restante do pessoal eram CDF de primeira linha.

A maioria andava por baixo. Por cima só tinha algumas poucas almas espalhadas entre nuvens e céus bonitos.

Algumas almas eram chatinhas, finas e largas como uma poça de agua, quase transparentes e com um brilho elétrico cintilante.

Em geral todo o lugar transmitia uma sensação de tranquilidade.

Eu não sei quanto tempo fiquei assim, olhando ... quando de repente estava passando bem perto de mim, uma alma azul clara com umas pontas que caiam do corpo principal, como dedos, e com olhos nas pontas deles.

- Ei! (gritei, tentando alcança-la, e com um nó na garganta de vontade de falar com alguém).

- Sssssssssshhhhhhhhhhhhhhhhh ! ! ! ! (me diz uma outra alma pequenininha), temos uma hora para falar tudo o que a gente quer. Depois durante o resto do dia, temos que manter silêncio, para não alterar a paz do Paraíso ... (neste momento ela me fez um gesto me mostrando uns arbustos, como querendo que a acompanhasse até ali).

Depois que estivemos bem atras do matinho, ela me falou naquele mesmo tom de voz de seminário religioso.

- Não falaram isso com V.S. quando chegou? Ou está chegando agora?

Eu achei impossível explicar a esta pobre alma todo meu Curriculum, e menos ainda de como eu tinha chegado até este lugar.

- Olha (ela continuou dizendo sem esperar minha resposta), é melhor V.S. ir sabendo que aqui é um lugar de amor, paz, tranquilidade, compreensão, e que não está permitida nenhuma atividade que altere este clima. V.S. tem para isso uns quartos, lá embaixo da nuvem dos perdoados, para você cantar ou gritar, fumar, ver televisão, etc.

- E tem muitas almas lá? (perguntei já mais curioso-interessado ...)

- Bom isso eu não sei, os quartos só dão para uma alma por vez, e eu nunca fui lá. Eu prefiro dar uma escapada até o Inferno quando São Pedro vai levar os relatórios, e fica batendo papo com Deus no último andar do Super Universo.

- Mas aqui o pessoal não fica cantando, dançando, fazendo amor o tempo todo? (perguntei já sabendo a resposta ...)

Ela me olhou com uns olhos enormes que davam a volta pelo seu corpo inteiro ... e como se seu corpo fosse feito de líquido, entrou por um buraquinho no chão e desapareceu.

E assim fiquei eu, com minhas idéias borbulhando de perguntas curiosas, pensando no Paraíso que tinha imaginado, porém vendo o real ...

 

 

(voltar ao topo)