Carlos Alberto Jales - 3 poemas

 

 

Cantata

 

 

Um dia os homens

se encontrarão

 

Um dia o planger

dos sinos não lem-

brará a bomba.

 

Um dia as flores

não morrerão

em bosques

calcinados.

 

Um dia não congela-

remos mais os corpos

envergonhados

pela

dor

 

Um dia nossas mãos

serão varinhas de com-

dão enverdecendo os

sonhos

 

Um dia os vendavais de

verão serão mansos calen-

dários nos trazendo o mar

 

Um dia os cavalos percorrerão

os prados, e do seu hálito

medrarão pedras e alquimias

 

Um dia velhos navegadores

encontrarão desertos faróis

e todas as estrelas farão um

concerto no céu

 

Um dia os homens se encon-

trarão e antiqüíssimos men-

digos caminharão ao encontro

do sol

 

O homem não acolhe outro homem

 

 

O homem não acolhe

outro homem.

 

O homem passa indiferente

à mansidão dos lagos,

à tepidez das águas,

à languidez dos bosques.

 

O homem não vê a revoada

dos pássaros, não se interessa

pela coreografia das águas,

não percebe que as nuvens

ensaiam um balé orques-

trado pelos ventos.

 

O homem não se importa com

a vastidão dos prados, não vê

a solidão de bois em campos

devolutos, não se emociona

ouvindo a voz rouca do mar.

 

Por que o homem acolheria

outro homem?

 

Eu não compreendo o mundo

 

 

Eu não compreendo o mundo.

O mundo não me compreende.

O nascer do crepúsculo não

me atinge,desvio o olhar de

nuvens e rios,com o silêncio

compro o que o mundo não

pode me dar.

Desprezo o sorriso dos que

me perseguem, os latidos

dos cães não me assustam,

me enterneço com quem

se recusa a me amar.

Horizontes tranqüilos não

me trazem paz,as sombras

das palavras não constroem

meus muros, o horror da

tempestade não fere meu sossego.

Se caminho sem rumo,é que não

compreendo o mundo, pássaro

cativo e no entanto livre, luz da

manhã e no entanto, cego, pastor

de estrelas e no entanto surdo,

Eu não compreendo o mundo,

o mundo não me compreende.

À beira de seus abismos rastejo,

reles e indiferente aos apelos dos

discursos sem perdão.

 

(voltar ao topo)