Os mistérios da comunicação. Por Claudio José Lopes Rodrigues.

Odylo, uma poesia. Por Celso Japiassu.

Discurso de Vargas Llosa no Prêmio Nobel. de Literatura.

Novos poemas de Carlos Alberto Jales.

Poemas de Sylvia Beirute.

A tarde, no futuro. De Celso Japiassu.

5 poemas de Carlos Alberto Jales.

A silhueta. De Celso Japiassu.

Réquiem sem música. De Edna St. Vincent Millay.

Retorno. De Celso Japiassu.

Um traço desenhado pelo vento. De Celso Japiassu.

O morto. Por Carlos Alberto Jales.

Sonha, de Celso Japiassu.

A crônica nossa de cada dia. Por Maria das Graças Targino.

Vidas, de Celso Japiassu.

Copacabana: poemas reunidos. De Celso Japiassu.

A menina que roubava livos. Por Maria das Graças Targino.

Dezessete Poemas Noturnos. Celso Japiassu

20 contos curtos de Paulo Maldonado.

O Itinerário dos Emigrantes, de CelsoJapiassu.

4 Poemas de Carlos Alberto Jales.

O Último Número, de Celso Japiassu.

Um poema de Rodrigo Souza Leão: Clarice Chopin.

Infância. De Paulo Mendes Campos.

Talento não é direito divino. Por Aline Santos.

Quatro novos poemas de Carlos Alberto Jales.

A morte de um pensador. Por Carlos Alberto Jales.

Moacir Japiassu: entrevista sobre o novo livro.

Quem será o tal Nonô? Crônica do novo livro de Moacir Japiassu.

As Pelejas de Ojuara, entrevista com Nei Leandro de Castro.

Os Horrores do Mundo. Por Clemente Rosas Ribeiro.

Alguns poemas de Carlos Alberto Jales.

Moacir Japiassu fala sobre seu novo livro: Quando Alegre Partiste.

O Evangelho segundo Jesus Cristo. Por Maria das Graças Targino.

Beócio, mentecapto e troglodita. Por Cláudio José Lopes Rodrigues.

Memórias do nosso tempo: De poetas, estrelas e flores. Por Clemente Rosas.

Dois contos do carnaval. Ângela Belmiro.

Obrigado, Quintanilha. Conto de Paulo Maldonado.

Um poema de Antonio Cisneros.

Cristo diante de Pilatos. Por Eça de Queiroz.

Poemas traduzidos: poetas de todos os tempos e lugares.

O Silêncio do Delator, de José Nêumanne.

As Dunas Vermelhas, de Nei Leandro de Castro. Resenha de Moacy Cirne.

Três poetas, o amor e o tempo.

Equívocos literários: poemas falsos de Brecht, Borges e Garcia Marquez.

Seis novos poemas de Nei Leandro de Castro.

Especial para Uma Coisa e Outra:Borges e seus mistérios, ensaio de José Nêumanne Pinto.

Como uivar para a lua sem a menor possibilidade de estrelas. Antonio Torres.

Alguns poemas de Fabricio Carpinejar.

Cinco céus. Franklin Alves.

Franklin Alves. Novos poemas.

As supresas do novo romance de Moacir Japiassu, por Nei Duclós.

Ode ao Fígado, de Pablo Neruda.

Entrevista: Moacir Japiassu fala sobre seu novo livro.

A biblioteca da literatura mundial.

O Parque, de Carlos Tavares.

Corpo. Conto de Rui Alão.

Notas de um antropólogo cansado, por Rui Alão.

Voltas em volta dos contratos de amor, de Pedro Galvão.

Corpo invisível, poema de Carlos Tavares.

Quando a cidade faz esquina com a escrita. Antonio Torres.

Dois contos de Paulo Maldonado.

Prelúdio a Conessa. Conto inédito de Carlos Tavares

Outros poemas de Marilda Soares.

O Farol e a Ilha, conto inédito de Carlos Tavares.

Poemas inéditos de Marilda Soares.

Adagio Negro, um conto de Carlos Tavares.

Marcos de Castro e A Santa do Cabaré.

Almandrade: um poema visual e quatro poemas escritos.

Literatura polonesa: um classico de Boleslaw Prus, numa tradução de Ruy Bello.

Em tradução de Sebastião Uchoa Leite, um velho (novo) poema de François Villon.

O que fazer diante de tantos livros que teríamos de ler. Gabriel Zaid.

Poemas de Moacy Cirne, poeta e cangaceiro.

Dois contos do poeta R. Leontino Filho.

Leontino Filho: Cinco Poemas.

Erotismo e paixão: Cinco Sentidos, conto de Helena Barreto.

A Retratista, conto de Bill Falcão.

Poemas de Silvana Guimarães.

A orelha de A Santa do Cabaré, por Fábio Lucas.

Fotopoemas de Niterói. Luís Sérgio dos Santos.

O Olhar de Borges, Livro dos Amores. Poemas de Jaime Vaz Brasil.

Poemas de Eric Ponty.

Poemas de Ana Merij.

A Absolvição das Formigas. Eduardo Ramos, à moda de José Saramago .

Quanta confusão fazem em teu nome, poesia. Paulo Maldonado.

Na espera do amanhã, por Affonso Romano de Sant'Anna

O pior livro de todos os tempos, por Sergio Jedi

Três poetas de língua espanhola. Traduções e notas de Anibal Beça.

Anibal Beça, poeta amazônico: apresentação e a Suíte para os Habitantes da Noite.

Autobiografia da minha morte, por Jorge Vismara.

Os homens amam a guerra. Belíssimo poema de Affonso Romano
de Sant'Anna com traduções de
Fred Ellison e Nahuel Santana.

.

A Morte de um Pensador

 

Carlos Alberto Jales

 

Gerardo Mello Mourão morreu. No começo deste ano, foi estudar a geologia dos campos santos, na delicada expressão do velho Machado de Assis. Em torno de sua morte o silêncio, este silêncio que se faz quando parte um pensador vigoroso, uma voz altíssima da prosa e da poesia. Uma voz como a de Gerardo, pairando acima das pequenas querelas provincianas, das pequenas vaidades de grupos e facções literárias. Ao mercado não interessa noticiar a morte de um filósofo e poeta.

 

Nascido no Ceará, temperado no seminário dos padres lassalistas de Minas Gerais, cultor da língua e da linguagem, como expressões maiores de nossa presença sobre a terra, artesão desta palavra que é a morada do ser, como afirmava Heidegger, Mourão era um pensador universal, um homem que cantava o mundo a partir de seu jardim, um autor que se movimentava em culturas e países diversos: colaborador em jornais brasileiros, professor no Chile, correspondente da Folha de São Paulo, que da China nos ensinou muito sobre a terra de Confúcio.

 

Acusado de integralista e traidor da Pátria, foi como o poeta que ele tanto admirava Ezra Pound, encarcerado injustamente, ele pela ditadura do Estado Novo e Pound pelo governo americano por ter se oposto à entrada de seu país na 2ª Guerra Mundial. Em ambos a coragem da resistência, lutando com a única arma de que dispunham: a palavra.

 

Filósofo, poeta, ensaísta, romancista, jornalista, Mello Mourão tem uma obra de rara densidade, e no campo da poesia é autor de “ O País dos Mourões”, saudado com emoção por Carlos Drumond de Andrade como um livro de raros recursos estilísticos, como a criação de um artista para quem a palavra não é um mero exercício retórico, mas um instrumento de recriação do mundo.

 

Gerardo Mello Mourão partiu e deixou um vazio difícil de preencher na atual fase do pensamento nacional, especialmente no campo político. Polemista vigoroso, homem da verdade inteira, fez de um mandato de Deputado Federal um momento de debate de nossos grandes problemas. Foi uma sorte ter morrido sem ver o Senado brasileiro destruído pela ação de usurpadores do poder, pela omissão da sociedade civil, pela inércia e pela covardia. Sua morte o livrou de ver o país que tanto amou e pelo qual tanto lutou entregue a um processo de anti-Iluminismo deletério, anestesiado e conformado a um cotidiano de omissões e traições. Melhor assim!

 

 

(voltar ao topo)