A ti, Emmanuel

 

Celso Japiassu

Como acontece a todos os poetas,

chega a hora de escrever o último poema.

E eu o dedico a ti, Emmanuel,

a quem foi negada a faculdade humana de morrer.


A ti, cuja palavra nos dirige à vala comum das despedidas

chamada por ti revelação.

Primata, inventor dos medos, sutil transfigurado,

serpente viva na doença dos culpados.


Li teus livros. Apóstata curioso, adventista inútil,

fui a teu encontro à noite, nos vitrais.

Procurei-te no chão das naves,

no pórtico das salas onde as inundações deixaram

marca sem memória.


Engoli soluços ajoelhado nas pedras, nas calçadas

em que andarilhos se perderam nas trilhas disfarçadas.

Acreditei no mito das almas condenadas.


Morri no momento impossível

em que as aves soturnas começam a enxergar o amanhecer

e um vento inesperado sopra nas sombras do verão.


Desci passo a passo degraus de catedrais

observado por gárgulas medonhas.

Andei no fio dos horrores,

no escuro dos quartos

onde prostitutas cegas perscrutavam o amanhecer.

Persegui roteiros como sou, noctâmbulo perdido nas manhãs.