Complicações idiomáticas

 

É verdade matemática
Que ninguém podi negá
Que essa história de gramática
Só serve pra atrapaiá

 

Inda vem língua estrangera
Ajudá a compricá
Meió nóis cabá cum isso
Pra todos podê falá.

 

Na Ingraterra ouví dizê
Que um pé de sapato é xu
Desde logo já se vê
Dois pé de sapato é xuxu

 

Xuxu pra nois é legume
É verdade e não boato
O ingrês que lá se arrume
Mas nóis num come sapato.

 

Ná Itália ouví dizê
Eu não sei porque razão
Que manteiga lá é burro
Lá se passa burro no pão

 

Desse jeito pra mim chega
Sarve o povo do sertão
Onde manteiga é manteiga
Nóis num come burro não.

 

Na América corpo é bódi
Veja que bódi vai dá
Conhecí uma americana
Doida pro bódi entregá

 

Fiquei meio atrapaiado
E disse pra me escapá
Oia moça eu não sou cabra
Chega seu bódi pra lá.

 

No Chile cueca é dança
Pra se dançá e bailá
Lá se dança e baila cueca
Até a noite acabá

 

Mas se um dia um chileno
Vié pro Brasil dançá
Tente mostrá a cueca
Pra vê onde vai pará.

 

Uma gravata esquisita
Um certo francês me deu
Perguntei onde se bota
Acho que num entendeu


Me danei com a resposta
Isso é coisa eu que não faço
Seu francês mal educado
Mete a gravata no seu.

(Estes versos circularam na internet sem indicação de autor. Agradecimentos ao CAT e a Manoel Carlos Pinheiro.)