Gaza: somos todos responsáveis. Por Léa Maria aarão Reis.

John Lenon e eu. Por Carlos Alberto Jales.

Herói, eu? Por Carlos Alberto Jales.

Esperança do jornalismo a favor do cidadão: não à mercantilização da mídia. Por Maria das Graças Targino.

O mercado que escraviza a cultura. Por Celso Japiassu.

A curiosidade do público sobre o pormenor artístico e o sexo dos bares. Por Paulo Maldonado.

Velhice: só a ironia conforta. Por Paulo Maldonado.

Reminiscências euclideanas. Por Clemente Rosas Ribeiro.

Singela historinha de Natal. Por Moacir Japiassu.

Duas crônicas de Affonso Romano de Sant'Anna.

A crônica entre a filosofia e a graça. Por Jean Pierre Chauvin.

O Silêncio dos Amantes. Resenha de Maria das Graças Targino.

Um olhar feminino sobre a vida e sobre o mundo. Por Celso Japiassu.

A casa, a luz e os ventos. Por Silva Costa.

A minha menina má. Por Nei Leandro de Castro.

Memórias do nosso tempo: Lembrança de Silvinha.

Deixa o mago trabalhar. Por Carlos Alberto Jales.

O envelhecer, a solidão e o cansaço. Por Maria das Graças Targino.

Cheio de prosa. Por Nei Leandro de Cstro.

Quase triste. Quase feliz. Por Maria das Graças Targino.

Eu, o centro-avante Ademir e a derrota do Brasil em 1950.

Um jogo de futebol inesquecível.

O galo da Rua do Sol. Por Cláudio José Lopes Rodrigues.

Duas crônicas de Affonso Romano de Sant'Anna.

Memórias do nosso tempo: um depoimento sobre Marcos Lins. Por Clemente Rosas Ribeiro.

O século sombrio. Por Léa Maria Aarão Reis.

Elogio à Loucura. Por Maria das Graças Targino.

Celso Furtado e a história da SUDENE. Por Clemente Rosas.

Em defesa de Camila. Por Maria das Graças Targino.

Historias de amor no cinema feito para o Natal. Por Maria das Graças Targino.

Homenagem a Celso Furtado. Por Clemente Rosas.

Roberto & Lily, histórias de amor. Por Maria das Graças Targino.

Jornalismo e meio ambiente. Por Maria das Graças Targino.

Sexo: Criatividade demais estraga. Por Daniel Japiassu

Michel Moore, o documentário e a tragédia da vida. Por Léa Maria Aarão Reis.

A eternidade dos amores fugazes. Por Maria das Graças Targino.

Israel x Palestina. Uma discussão sobre o racismo. Por Léa Maria Aarão Reis.

Os traços da perversidade humana, por Graça Targino.

Quem foi Gláucio Gill, por Helio Bloch.

_____________________________________

Arte e Embuste

 

Arte da hora, por Hélio Jesuino.

Uma crônica de Affonso Romano de Sant'Anna dá início a um debate sobre arte e embuste.

Almandrade entra no debate e em dois artigos fala sobre a irrealidade da arte contemporânea e o descaso pela arte.

Os mecanismos de marketing da arte contemporânea. Celso Japiassu.

Envie sua opinião para webmaster@umacoisaeoutra.com.br

____________________________________

O encontro de Madame Satã com o bordel das normalistas.

Daniel Japiassu entrevistou o embaixador dos havanas.

A paz no mundo, segundo Claudio Sendin.

Anotações sobre a cidade de Salvador. Almandrade.

A versão light da alma feminina. Carla Rodrigues.

Comida sob medida para neuróticos, por Carla Rodrigues.

A bicicleta que derruba, por Silva Costa.

Dois textos sobre a cidade, por Almandrade.

Luciana Souza, uma brasileira no jazz. José Nêumanne.

A mais antiga pergunta: você acredita em Deus? Por Claudio Sendin.

Um poema de Brecht e uma carta de Evandro Lins e Silva.

A publicidade selvagem contra o correio eletrônico, por Stéphane Foucart.

O discurso de Fidel Castro no aniversário da Revolução Cubana.

Conversa de botequim via telefone celular, por Caio Mourão.

O que faz uma mulher mudar a vida, por Carmen S. Martinzez.

A crise econômica é uma crise de papel. Ensaio de Leopoldo Camara.

Arrumando a casa, Silva Costa se rende à nostalgia da memória.

Relato de uma viagem ao inferno.

Nós que matamos Tim Lopes. Affonso Romano de Sant'Anna._

Um projeto para reformar a política no Brasil, por M. Peri.

Elogio aos gatos. Celso Japiassu.

Suas senhas e nossos bandidos, por Daniel Japiassu.

Juventino na malhação, por Jorge Ferenando dos Santos.

Porque Romário não vai à Copa. Caio Mourão.

Larguem o W do homem! Por Marcia Lobo.

Uma crônica de Jorge Fernando dos Santos - Uma lição de vida.

A nova tecnologia e a velha crise social. Daniel Japiassu.

Sergio Cavalcanti diz porque a internet faz mal e declara o seu amor por ela.

Sísifo pelo avesso, Fênix e os velhotes de Havana, por Léa Maria Aarão Reis

Depoimento de um campeão do futebol de botão, por Anibal Beça.

Affonso Romano de Santana conta o amor de um mineiro pelo mar.

Novo livro de Lea Maria Aarão Reis: a mulher na idade madura.

Dois Textos de Affonso Romano de Sant'Anna sobre o horror de setembro.

Guerra à guerra.
Por Daniel Aarão Reis.

O fim do mundo, segundo São Malaquias. Por Mario Jorge Dourado.

Mario Castelar estréia no site e escreve sobre a magia dos átomos e dos índios.

Caio Mourão e a tia que viajou num
disco voador.

Um adeus a Eduardo Haddad Filho, por Carlos Alberto Teixeira, em O Globo.

Léa Maria Aarão Reis escreve sobre
o que há de bom acontecendo.


Mel 1990-2002

Elogio aos Gatos

Celso Japiassu

 

Ao contrário do que pensa a maioria das pessoas, êles são desastrados e sujeitos a todo tipo de acidente. A agilidade natural que possuem evita coisa pior, na maior parte das vezes. Adorados e odiados na história do seu relacionamento com o homem, foi o último dos animais domésticos a ser domesticado. O cão foi o primeiro a ser atraído para ajudar nas caçadas, o cavalo para ser usado como meio de transporte, o boi para o trabalho e para fornecer leite e carne. O gato, sem qualquer utilidade, permaneceu selvagem e livre, dono de si mesmo, independente e orgulhoso.


Os ratos que comiam metade da colheita dos egípcios foi que tornaram necessária a ajuda desse perseguidor que se diverte com a caça e ataca tudo o que se movimentar a sua frente. Foi difícil para o homem, ao se aproximar dos gatos, permanecer indiferente a sua beleza e à elegância de seus movimentos.

Divindades na Birmânia e representação do mal na Idade Média cristã, foram perseguidos como símbolos da heresia e do feitiço, torturados e mortos a pauladas, queimados na praça de todas as cidades européias.

 

Muito do preconceito até hoje existente para com os gatos tem origem nessas crenças medievais. A Europa inteira acabou pagando caro por sua superstição e crueldade, pois a ausência de gatos fez com que os ratos se proliferassem e a peste bubônica matou dois terços da população do continente.

 

Na companhia dos artistas

 

O gato não tem sido visto apenas como caçador de ratos. Esopo, Fedro, Cícero, entre os antigos, escreveram sobre êle. Beaudelaire comparou seu pelo macio ao corpo da mulher amada. Hemingway viveu em Havana na companhia de 50 gatos e transformou um deles - Bose - num personagem forte e inesquecível de As Ilhas da Corrente - o companheiro solidário e silencioso de um artista a viver momentos de solidão e angústia.

Eles gostam do silêncio das bibliotecas, dos estúdios com suas mesas abarrotadas de papel e do ruído dos teclados. Dormem com profundo prazer sobre a capa dos livros. Os trabalhadores literários amam verdadeiramente a companhia dos gatos.

 

O historiador francês Taine escreveu: "conheci muitos pensadores e muitos gatos, mas a sabedoria dos gatos é infinitamente superior."

 

Theophile Gautier disse que "Deus criou o gato para dar ao homem o prazer de acariciar um tigre".

 

É extensa a lista dos compositores influenciados pelos gatos. Scarlatti compôs a Fuga del Gatta, Rossini o Duetto Buffo dei due Gatti, Ravel um dueto entre gatos em L'enfant et les Sortiléges. Tchaikovsky, Grieg, Jules Massenet também deixaram obras inspiradas nos gatos. Por coincidência, uma das características dos felinos é a sua sensibilidade à música, que os faz especialmente tranquilos e propensos a um sono imediato.

 

Obras primas da pintura têm os gatos como tema. Da Vinci tem A Virgem do Gato, Albrecht Dürer pintou um gato a lamber os pés de Eva, Jean Antoine Watteau o imortalizou em seu quadro O Gato Doente. Veronese, Rubens, Bosh, Brueghel, Rembrandt, Tintoretto, todos lhe renderam homenagem fascinados com a sua beleza. Da mesma forma que os modernos Delacroix, Renoir, Courbet, Gauguin e Picasso. Edouard Manet, que os pintou com paixão, costumava observá-los na rua, olhando-os durante horas seguidas debruçado na janela de sua casa.

 

 

Uma verdadeira amizade

 

No cinema, desde o musical Cats a Tom e Jerry, Felix, the Cat e a Pantera Cor de Rosa, que não passa de uma charmosa gata, os gatos são fonte de entretenimento e criatividade.

 

O pintor Silva Costa me afirmou que um gato de nome Rachid, habitante de um telhado vizinho, já lhe deixou inúmeros recados fazendo uso do teclado do computador. O gato tem suas próprias formas para se comunicar com o homem. Mia, exprime satisfação e prazer ronronando, exibe seu mau humor mediante total indiferença a qualquer tentativa de aproximação. Expressa amor roçando-se nas pernas do dono, lambendo ou trazendo alguns presentes exóticos, produtos do seu trabalho de caçador: um rato ou um pássaro agonizantes.

 

Os gatos são bichos egoístas, esnobes, insolentes, orgulhosos e desobedientes. Mas quando se convive com eles descobre-se uma verdade antes insuspeitada: a de que é possível existir uma bela e verdadeira amizade entre um homem e um animal.

 

 

(voltar ao topo)